VEJA.com – No rali da inflação, leite poderá ser o novo tomate

12/04/2013
Preços em alta no mercado internacional devem influenciar a oferta do produto no mercado brasileiro nos próximos mesesNaiara Bertão

Depois de a salada de tomates ter ficado mais cara nos últimos meses, agora é o leite que começa a pesar no bolso do consumidor. Na última quinta-feira, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) apurou que o leite em pó (embalagem 400-500g) foi o produto da cesta básica que mais se valorizou na semana de 5 a 11 de abril, na faixa de 3,66%, na cidade de São Paulo – o grupo alimentação teve inflação de 0,97% e a cesta básica, de 0,82% no mesmo período. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados na quarta-feira, mostram ainda que a inflação do leite em pó passou de 0,30% em fevereiro para 1,63% em março, enquanto a do leite longa vida variou de -0,01% para 1,76% no mesmo período. Os itens acumularam altas respectivas de 2,78% e 2,49% no primeiro trimestre do ano e de 12,71% e 8,81% em 12 meses.

A consultoria agropecuária MB Agro alerta que os produtores brasileiros estão aumentando os preços para acompanhar o mercado internacional. A Nova Zelândia, o maior produtor de leite em pó do mundo (responde por um terço da produção mundial), teve a pior seca dos últimos 70 anos no verão passado. A fartura do pasto para alimentar as vacas leiteiras neozelandesas teve que ser reduzida, o que provocou uma queda na produtividade do rebanho.

Apesar de os dados oficiais sobre a produção da Nova Zelândia no primeiro trimestre do ano serem preliminares, é consenso entre analistas que haverá um salto nos valores praticados no mercado internacional. Eles tomam por base os últimos resultados dos leilões quinzenais da DPA (joint venture entre a Nestlé e a Fonterra no país), considerados referência mundial no preço do leite em pó. Enquanto a média de preço girava em torno de 3,5 mil dólares por tonelada do produto no ano passado, os preços dispararam desde fevereiro. No último leilão, no início deste mês, o preço da tonelada já estava em 5,1 mil dólares – um aumento de 45,7% entre o início de fevereiro e abril.

A queda da oferta já refletiu no índice de preços divulgado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) na última quinta-feira. Os preços internacionais dos alimentos subiram 1% em março ante fevereiro, puxados, especialmente, pela elevação de 11% dos laticínios, que têm peso de 17% no cálculo do indicador. “O leite em pó brasileiro, que antes era considerado caro no mercado internacional, agora já está bem mais competitivo que o neozelandês”, diz César de Castro Alves, analista de leite e carne da MB Agro. “Isso pode fazer com que produtores nacionais que deixaram de exportar nos últimos anos voltem a buscar o mercado internacional”, completa ele.

Atualmente, o preço do leite in natura no Brasil custa 0,92 real o litro, de acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Já o quilo do leite em pó está cotado em 7,82 reais. Com a cotação do dólar próxima de 2 reais, a tonelada de leite em pó brasileiro sairia por cerca de 3,91 mil dólares – sem contar os custos com importação. Segundo a MB Agro, é essa competitividade externa que vai atrair os produtores brasileiros nos próximos meses – o que poderá reduzir a oferta e, consequentemente, elevar os preços no mercado interno.

Balança – Esse aumento já é perceptível nos dados da balança comercial. As exportações de leite em pó (desnatado, integral e semidesnatado) somaram 1,196 milhão de dólares no primeiro trimestre de 2013, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O acumulado de janeiro a março é maior do que o total exportado no ano passado inteiro: 750,38 mil dólares.

A balança comercial do produto ainda é deficitária porque o preço brasileiro se tornou, nos últimos anos, menos atrativo do que o de países como a Nova Zelândia, que investiu em mecanização para a retirada do leite, higienização da produção e qualidade no trato do rebanho. No primeiro trimestre, o Brasil já importou mais de 57,455 milhões de dólares apenas de leite em pó. Em 2012 e 2011 esse dado ficou em 353,57 milhões e 303,90 milhões de dólares, respectivamente. Os principais fornecedores do país estão no Uruguai e na Argentina.

Demanda chinesa – Além da redução da oferta, um aumento da demanda chinesa pode complicar ainda mais a situação dos laticínios. A razão é a gripe aviária. Se houver piora do quadro sanitário, o país poderá aumentar suas compras de leite em pó para substituir a ave em termos de proteína. Para complicar ainda mais o quadro, tanto no Brasil quanto na Nova Zelândia, a tendência de um clima mais seco nos próximos meses pode dificultar uma reação rápida da oferta, segundo o analista da MB Agro. Ao que tudo indica, o produto deverá ser o novo motivo de preocupação para uns e de piada para outros.

No rali da inflação, leite poderá ser o novo tomate

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: