VEJA.com – MP do Acre culpa TelexFree por não ressarcir divulgadores

08/01/2014

Órgão afirma que o acordo proposto à empresa foi negado, ao contrário da informação que consta em novo vídeo publicado por seu diretor

Naiara Bertão

O Ministério Público do Estado do Acre divulgou uma nota nesta quarta-feira afirmando que o órgão não é responsável pelo impasse no acordo com a TelexFree que previa o ressarcimento dos divulgadores da empresa, que é investigada por formação de pirâmide financeira. A promotora Alessandra Garcia afirmou que, em novembro, o MP propôs à empresa um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que previa, inicialmente, o ressarcimento dos divulgadores que entraram na rede até 60 dias antes de a operação ser paralisada. Numa segunda leva, a TelexFree poderia usar o dinheiro bloqueado pela Justiça para ressarcir os demais divulgadores. Segundo o órgão, todos os divulgadores seriam ressarcidos num prazo de 100 dias. À época, segundo o MP, o diretor da empresa, Carlos Costa, se negou a assinar o TAC proposto.

A intenção do MP foi defender-se de acusações feitas por Costa em vídeo publicado na internet na terça-feira. Nele, o diretor afirma que a TelexFree foi a autora da proposta de ressarcimento e o MP não quis aceitá-la. “Cumpre dizer que foi a empresa Ympactus (razão social da TelexFree), por meio do senhor Carlos Costa, presente na audiência, que não aceitou sequer negociar a proposta apresentada pelo Ministério Público em audiência”, disse a promotora, disponibilizando um link para o documento.

Alessandra também explicou que o valor bloqueado pela Justiça, estimado em 600 milhões de reais, não está sob tutela do MP. “Sobre a quantia atualmente indisponibilizada para permitir o ressarcimento de todos que investiram nesse negócio, é importante dizer que esta se encontra em conta bancária judicial, e que o Ministério Público não possui qualquer gestão ou acesso a essa conta”, diz a nota.

Após a nota do MP, Carlos Costa voltou à internet para reconhecer que a empresa não propôs qualquer acordo, tendo apenas enviado um e-mail, informal, via seu advogado Roberto Duarte, sugerindo alguns pontos a serem incluídos no TAC para resolver a questão. Contudo, os pontos citados no vídeo já constavam do TAC proposto pelo MP.

Em 9 de dezembro, Costa aparece em um vídeo propondo à Justiça o recurso da sub-rogação, que consiste na autorização para que uma empresa compre as dívidas de outra, enquanto sua operação permanece bloqueada.

MP do Acre culpa TelexFree por não ressarcir divulgadores

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: