Blog Naiara com Elas – Desigualdade tributária: como até a forma de coletar e usar impostos afeta mais as mulheres

Em países que taxam mais pelo consumo do que a renda, os mais pobres – em especial mulheres negras – são os mais prejudicados. Entenda por que precisamos falar disso

Por Naiara Bertão, Valor Investe — São Paulo – 07/04/2021 

É chegada a temporada – chata, mas obrigatória – de declaração do Imposto de Renda. Em meio à burocracia habitual dos brasileiros que ganham mais de R$ 28.559,70 por ano, uma outra discussão, paralela e até mais importante, está em curso: a desigualdade tributária de gênero.

Na semana de 15 e 26 de março, a Global Alliance Tax Justice (GATJ), coalizão global do movimento por justiça fiscal, promoveu a campanha “Justiça fiscal pelos direitos das mulheres”. O tema de desigualdade tributária vinha me perseguindo nos últimos meses, com algumas amigas advogadas postando algo à respeito, algumas pautas começando a aparecer no meu e-mail, e resolvi finalmente ir atrás para entender.

Acontece que, se não bastasse sermos, nós, mulheres, minoria em tudo que envolve geração de renda e emprego formal, ainda somos penalizadas pelo modelo de tributação do Brasil. Infelizmente, nem é só aqui – a maioria dos países do Hemisfério Sul, emergentes, é assim. Na prática, ganhamos menos, mas pagamos mais impostos. Como?

A base da explicação para a desigualdade tributária de gênero está na priorização da fonte de tributação. Mais da metade (58%) dos impostos coletados no Brasil incidem sobre o consumo – 42% da arrecadação vem da renda.

O que isso tem de ruim e porque é tão prejudicial às mulheres? Conversei com a Grazielle David, coordenadora global de políticas e campanhas da Global Alliance for Tax Justice, que me explicou algo muito óbvio e que eu, pelo menos, não tinha parado nunca para pensar à respeito: os mais pobres não ganham muito, além de se sujeitarem mais a trabalhos informais, mas consomem bastante – compram comida, remédios, roupas e outros itens básicos, onde incide mais imposto.

Além disso, sobre o pouco que ganham, e que é tributável, conseguem abater muito pouco, uma vez que não sobra muito dinheiro para investir e receber lucros e dividendos isentos; e não têm muito dinheiro nem para pagar despesas médicas no particular para deduzir depois – acabam dependendo mesmo do SUS. Até têm os que pagam pensão alimentícia, outro item dedutível do IR, mas em valores menores.

Leia também: O que Melinda Gates e o presidente do Banco Mundial têm a nos dizer sobre a desigualdade no pós-covid

E quem são os mais pobres do Brasil?

Vale ainda acrescentar outro dado: segundo o mesmo estudo, os homens ganham 29,6% a mais que as mulheres. Elas também estão mais sujeitas a trabalhos informais ou de baixa remuneração, o que tem muito a ver com a menor disponibilidade de horas (já que cuidam da família e da casa, trabalho ZERO remunerado).

Segundo dados do IBGE referentes a 2019, dos 51,7 milhões de pobres no Brasil, 52% (26,9 milhões) são mulheres contra 24,9 milhões de homens. Dos 13,7 milhões de brasileiros que viviam em situação de pobreza extrema (renda per capita diária inferior a US$ 1,90), pasmem, cerca de 5,4 milhões eram de mulheres que se autodeclararam pardas ou pretas, o que representa quase 40% do total. Quando acrescentamos as mulheres brancas nesta conta, elas são maioria (52%) dos mais pobres.

Um estudo da organização Oxfam mostra que, se o trabalho não remunerado de mulheres e meninas acima de 15 anos com cuidados e atividades domésticas (que somam 12,5 bilhões de horas por dia) fosse incluído no PIB global, seriam US$ 10,8 trilhões anualmente a mais.

O modelo de tributação no Brasil, o regressivo, onera em especial os mais pobres, que são mulheres em geral, e negras em especial. As mulheres, além de serem maioria entre os informais, são responsáveis pelos cuidados dos filhos, dos pais, o que as tira do mercado formal. Como consequência, elas também não conseguem contribuir ao INSS e perdem uma série de direitos e garantias, para ajudar a piorar”, explica Grazielle David.

Pode até existir um argumento de que, ganhando menos, as mulheres também estão menos sujeitas a cobrança de impostos pela via da renda, o que é verdade, ainda que a lógica funcione mais se pensarmos em termos absolutos e não relativos.

Porém, elas não escapam de jeito nenhum da cobrança de impostos do lado do consumo. São as principais gestoras do lar, responsáveis pelas compras, que consomem quase todo o seu dinheiro, que já não é muito. Acabam gastando, porém, para consumo da família e não apenas benefício próprio.

Vocês já pegaram uma nota fiscal e viram tudo de imposto que está inserido nos preços? Um exemplo: Fiz uma ‘comprinha’ no supermercado em São Paulo em meados de março no valor de R$ 213, o que já achei bem caro porque não comprei quase nada. Lá no rodapé estava: do valor total, R$ 14,01 são de impostos federais e R$ 26,98 de impostos estaduais. No fim, se não houvesse essa incidência de impostos sobre os itens que eu comprei, eu teria pagado R$ 41 a menos. O imposto cobrado por apenas esta compra representa pouco mais de 19% do valor total.

E pior: as mulheres estão ainda mais expostas aos efeitos da inflação. Segundo o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), que divulga a inflação dividida por classe de renda, a inflação das famílias mais pobres está em 6,75% no acumulado em 12 meses até fevereiro contra 3,43% da classe de renda mais alta.

A alimentação, que é o principal gasto dessas pessoas mais pobres, ao lado de energia elétrica e transporte público, é um dos itens que mais tem subido de preço e ‘roubado’ poder de compra dessa classe. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou 12 meses até fevereiro em 5,20%, sendo que a inflação de alimentos, em especial, subiu 15% no período.

O imposto come de um lado e a inflação de um outro. Ou seja, como se não bastasse já pagarem uma boa fatia de impostos já embutidos nas compras, os mais pobres (sendo a maioria mulheres) precisam lidar com a aceleração da inflação e a diminuição de seu poder de compra.

Mas as desigualdades de gênero não param por aí.

Mesmo quando observamos a renda, os homens têm mais itens isentos do que nós, como, por exemplo, dividendos e lucros (sim, eles investem mais em produtos que são isentos e são maioria entre os donos de empresas e alto escalão executivo que recebem bônus rechonchudos) e … pensão alimentícia.

Nos dados de Imposto de Renda com ano base de 2018, último relatório disponível no site da Receita Federal brasileira, os homens somavam R$ 15,65 bilhões de dinheiro dedutível do IR referente ao pagamento de pensão alimentícia, contra apenas R$ 370 milhões das mulheres.

É óbvio que o homem paga mais pensão do que a mulher, todos nós sabemos disso e vemos na prática. Mas são elas que usam esse dinheiro para comprar coisas para os filhos, ou sejam são prejudicadas pelo maior tributo no consumo. E adivinhem quem abate os tributos depois do imposto?

“É preciso mudar a estrutura social, mas evitar também que o Estado não reforce a desigualdade com o sistema tributário. A solução passa por uma mudança de um sistema tributário mais baseado na renda do que em consumo”, afirma Grazielle.

Outros pontos defendidos pela Global Alliance Tax Justice são o reconhecimento do trabalho não remunerado no sistema tributário e fiscal; políticas que tributem as grandes fortunas e heranças, a exemplo do que países como Argentina, Colômbia e Bolívia estão estruturando; o combate sério à elisão e evasão de divisas, que ‘roubam’ dinheiro que poderia ser usado para benefícios sociais dos países; e, por fim, redirecionamento de recursos arrecadados para diminuir a desigualdade de gênero.

“A melhor distribuição de dinheiro para reduzir a desigualdade de gênero e social está baseado no financiamento adequado dos serviços públicos. Poderiam ser feitas, por exemplo mais creches que permitam a mulher com filhos voltar ao mercado de trabalho, com escolas, serviços de saúde pública e centros de cuidados de idosos, cujo cuidado acaba ficando mais com a mulher. O Brasil pensa muito pouco nos idosos, em sua qualidade de vida e estrutura para ajudar a viverem com qualidade”, lembra Grazielle.

Vamos aproveitar as discussões sobre reforma tributária para repensar um modelo mais justo?

Artigo publicado originalmente no Blog Naiara com Elas no Valor Investe

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: